14 junho 2006

Mini-Máximas 2ª edição - Momento TPM

imagem: revista paradoxo

*

hoje algo me des
alinha curva que des
ce à procura de ninho

*


um olho me espia
insone; não sei se
: eu ou meu clone

*


máscaras, cascas,
migalhas de mim ca
em como pedras em
meu jardim. adubo.

*

seria a palavra oca
ou louca estaria eu
ausente dela?

*

sou em mim
tudo aquilo que
dói pra não doer.

sou enfim
ao menos
pedaço de ser.

*


Pare de construir casas de vidro em noites de lua cheia!
Uma estrela cá dentro pode despencar...

Clauky

(botando os hormônios para criar)

6 comentários:

Bill disse...

Olaaaa Senhorita de belas palavras...
FIco sempre assim a sonhar quando aqui venho...

"seria a palavra oca
ou louca estaria eu
ausente dela?"

Babavel =] Simplesmente babavel =]

ADorei tudo.

:***

Vandré Abreu disse...

Sensacional!
Realmente as estrelas caem :)

Muito bom este poema

diovvani disse...

Não minha amiga! Você náo está ausente dela... sua alma está, dentro do oco da palavra.
Abraço,
Diovvani.

Luísa Mota disse...

Ai poetisa magika...

...vim conferir as tuas novidades e diga-se com franqueza:

és a cada palavra o âmago do teu ser, criativo e encantador.

1 Bj*
Luísa

Elcio disse...

"Palavra, nunca foi só de alegria. Em tempo ruim td mundo tbem dá bom-dia." Já dizia o bom e saudoso Gonzaguinha.

Adoro seu jeito facil e cativante de escrever.

É isso.
Boa semana p ti.
Bjs

Luiz Roberto Lins Almeida disse...

gostei muito de sua poética, especialmente deste texto. vc tem uma presença marcante.