23 junho 2010

Pedra Filosofal



tesão, em sintese, é saudade
elixir da longa vida
sintaxe do corpo, deidade

sinta-se à vontade:

sexo pode até existir
sem amor de verdade,
mas é no por vir
que mora a eternidade

sinto, logo sei:

a sentença pertence aos detalhes.


boom!

(image: Maya y Visnu from Margaridabr2)

8 comentários:

Geraldo de Barros disse...

que lindo, adorei ;)

beijos
G

Marisa Vieira disse...

Boom,
que delícia, adorei!
beijo da Marisa

Ricardo Mainieri disse...

Loucamiga, o sexo pode existir sem o amor, porém, como digo num poema, vira, de certo modo,um encontro de anatomias.
Com amor vai além. Pode ser tântrico, extásico, transcendente.
A energia do chacra kundalini se unindo em paz com o chacra coronário...
Belo, filosófico e amoroso poema.

Beijão.

Ricardo Mainieri

Willians Rodrigues disse...

o sexo no ir e vir é realidade nas palavras de um poeta que entende de versos e com certeza conhece a beleza da eternidade dos momentos que no populaxo são chamdados de sacanagem e libertinagem, mas na grande realidade são os momentos que resumem a verdade de ser humano em contato com o outro sem medo de rejeição e vaidades.

Sylvia Araujo disse...

Ótimo, Clauky!

Beijo

Willians Rodrigues disse...

Uau, que texto é esse?!, Explendido, gostei muito, o melhor que li hoje, e olha que li vários.

Pat Poll disse...

Lindo Lindo e verdadeiro...

Luz e Paz
Pat

Marilene disse...

Muito lindo! Excelente jogo de palavras. Parabéns!

Marilene
umcanto-recantodaalma.blogspot.com